Para além da escola

Como-escolher-atividades-extracurriculares-crianças
Com duas filhas pequenas, uma delas na idade escolar, a escolha das atividades extracurriculares é um tema que surge para discussão em conjunto no início de cada ano letivo. A miúda mais velha frequenta dança e natação desde os 3 anos. São atividades de que gosta verdadeiramente e que não ocupam demasiado tempo na agenda familiar. Neste momento, estamos a ponderar acrescentar a aprendizagem mais efetiva da língua inglesa.

Para nós, é importante proporcionar aos mais pequenos, desde cedo, oportunidades que lhes permitam desenvolver hábitos que impliquem rotinas, compromisso, disciplina, e, acima de tudo, divertimento e alargamento das relações de amizade. Mas também não é menos importante ensinar-lhes que o tempo em família é precioso e que, às vezes, é muito bom não ter os dias todos planeados para podermos fazer simplesmente o que nos apetece.

Desde que bem geridas e escolhidas de acordo com as preferências, personalidade e aptidões das crianças, as atividades extracurriculares são bastante enriquecedoras e poderão ser boas oportunidades para desenvolverem, de forma natural, valores estruturantes da sua personalidade. Sentir que não se pode faltar aos ensaios de ballet porque se confirmou a presença no espetáculo final e porque se sabe que a sua performance tem implicações na performance das suas colegas e na coreografia geral é aprender que o trabalho em equipa é importante para o sucesso do grupo, é fomentar o sentido de responsabilidade e o respeito pelos compromissos. 

Há outras formas de proporcionar estes ensinamentos às crianças? Sim, claro que há! No nosso dia-a-dia não faltam pretextos para lhes apresentarmos estes princípios e não será necessário preencher todo o seu tempo livre com atividades pagas para isso. Contudo, acreditamos que quanto mais portas lhes abrirmos, mais atentas e despertas estarão elas para o mundo.

Como em tudo na vida, é importante ter bom senso e não querermos que os nossos filhos façam tudo aquilo que nós, pais, gostávamos que eles fizessem (embora considere que certas escolhas devem ser “obrigatórias”, como uma atividade física e as línguas, por exemplo), é fundamental encontrar o equilíbrio entre esses compromissos e o tempo para brincar, estudar e estar com a família e os amigos e, sobretudo, é preciso saber avaliar se essas atividades tornam os nossos filhos mais felizes!

Sofia

Lá fora: este post e estas dicas.

Créditos da imagem: aqui
SHARE:

Sem comentários

Enviar um comentário

© At Mums. All rights reserved.